segunda-feira, 4 de junho de 2012

HUMANAMENTE

Digno Pastor destes rebanhos,
que é feito de Vossa Voz sobre os campos
outrora supreendidos pelas mãos dos homens?
Que é feito da Tua autoridade solar sobre as flores,
sobre as sementes, a despeito do orgulho silencioso
dos corações?
O Teu serviço direciona o curso dos rios
e fomenta os jardins ao sol.
O Teu serviço é a história do salto da vida
sobre o abismo das impossibilidades.

Que amargor, Digno Pastor dos Rebanhos
diante das profundas águas dos olhos
de homens e animais
quando a esperança se rasga
como a Palavra que proferiste há 2000 anos
e é ateada a lama do amor morto.

Caixeira-viajante do espírito,
balbucio Teu velho nome
do fundo desta colina
e quero ir ter Contigo,
onde assentaria minha alma a Teus pés
e me ensinarias a alegria,
(que nunca pude compreender).



(Direitos autorais reservados).
Foto: pesquisada no Google.

Nenhum comentário: